sexta-feira, janeiro 25, 2008

Portugal

Isto tudo começou com um filho a bater na mãe

"Nada como começar do principio, recordando um antigo mural lisboeta que sabiamente lembrava, 'tudo tem um fim, excepto a salsicha, que tem dois'. Ora pois, então a ver vamos e por ordem alfabética:

  1. Deus criou o universo;
  2. Após parar numa estação de serviço para comer uma sandes, resolve - já que está nas redondezas - criar o planeta Terra;
  3. Adão e Eva pedem o divorcio. O processo é litigioso e Adão arrepende-se de ter casado em regime de comunhão total de bens;
  4. Microorganismos surgem na Terra(e não me refiro - ainda - ao cérebro de Alberto João Jardim);
  5. Passam uns milhoezitos de anos e os Dinossauros nascem, crescem e levam com um bruto meteorito na cabeça;
  6. Lili Caneças sobrevive ao massacre e espera pacientemente o nascimento da revista Caras;
  7. O macaco de que o Homem descende - sobretudo no caso especifico do playboy algarvio - descobre, dolorosamente e ao coçar o rabo, que possui um dedo oponível;
  8. Macacos e macaquinhas entretêm-se durante um milhão de anos a inventar novos jogos sexuais baseados na descoberta do polegar;
  9. O macaco farta-se de ser gozado pelos outros animais da selva, por parecer um corcunda, e experimenta andar em duas patas;
  10. Advento do Homem de Cro-Magnon, hoje conhecido como 'super-dragão'.
  11. O homo sapiens sapiens, conhecido por ser gago, tenta aquecer-se com a roda e construir meios de transporte com o fogo;
  12. Resolvido o imbróglio, nasce a humanidade tal como a conhecemos;
  13. Jesus Cristo aparece no Planeta mas, como está com pressa e faz um calor do caneco na Galileia, despacha-se a morrer por nós(aos 33 anos) e vai à sua vidinha;
  14. Começam centenas de anos de Guerras provocadas pela religião. Felizmente já estamos no século XXI e nada disso seria possível hoje em dia;
  15. Um casal de emigrantes franceses instala-se em Portugal;
  16. Nasce D.Afonso Henriques;
  17. D.Afonso Henriques espanca a sua mãe, Teresa;
  18. O Filho desnaturado torna-se o primeiro rei de Portugal.

Mas porque, afinal, bateu D.Afonso Henrique na própria mãe? Lista de hipóteses:

  1. Ela não o deixava sair à noite;
  2. Ela não o deixava inscrever-se na natação do Benfica;
  3. Ela não queria que ele namorasse com a Hermengarda, filha do Conde de Sabugal, uma sem vergonha com roupas que deixavam ver, nítida e propositadamente, uma nesga da canela esquerda;
  4. Ela achava que ele era demasiado novo para combater mouros e queria que o filho termina-se, pelo menos, a 4.ª classe;
  5. Ela estava sempre a chatear-lo por encher o castelo de fumo;
  6. Ele estava farto de ver a mãe a fazer olhinhos aos gajos do exercito e achava que o lugar da mulher é na cozinha;
  7. Ele queria passar o fim de semana com a namorada no castelo de Almorol, a mão não o deixava e o frouxo do pai calava-se;
  8. Ele pediu um aumento da semanada mas foi-lhe recusado;
  9. Ele queria ir ao concerto dos Da Vinci mas a mãe insistiu para que ajudasse o pai a reforçar as dobradiças da porta do castelo;
  10. Ele achava que era adoptado.

Seja como for, como é que um país que nasce de um facto destes podia ter alguma hipótese de se sair bem?

Ponto um. Ponto dois: com um antecedente semelhante, quem se admira agora que Portugal lidere os rankings de violência doméstica? Hmm?"

Retirado do livro "Sou Português... e agora?" de Luís Filipe Borges

“A banda que nasceu aos tombos”

Esta é a história de uma banda que ao longo do seu (para já) curto percurso, conta já com algumas “pedras no caminho”.
Tudo começou quando um amigo se virou para o outro e disse: “Foda-se! Tou farto de tocar guitarra sozinho!!! Quero ter uma banda!”
O outro amigo, depois de o ouvir dizer aquilo com tanta convicção, apoiou a sua ideia. Então, surgiu a necessidade de encontrar mais elementos. A procura que ao início parecia ser fácil, tornou-se um pouco mais complicada. Após terem encontrado um guitarrista e um baterista, precisavam agora de uma voz feminina para dar um tom mais “suave” às suas músicas e precisavam também de arranjar um nome para a banda!
Até encontrarem a dita voz feminina, contavam já com dois concertos…até aqui ainda nem sequer tinham nome…
Tomaram a decisão de colocar “papeis” espalhados pela freguesia com um anúncio encimado por: “Procura-se vocalista”!!! As respostas a este anúncio foram escassas, mas com muita força de vontade lá continuaram à procura!!! Até que finalmente uma voz parecia-se encaixar no estilo de música que a banda se propunha a tocar (qualquer coisa, tipo, o que vem à rede é peixe). E assim foi…
Voltando um pouco atrás nesta história… A banda precisava também de um nome…
No fim de um dos ensaios (que eram feitos num armazém que serve de confecção), os (até aí) 4 elementos da banda estavam a conversar, a passo que a dado momento, o baixista, olhou para a porta do armazém e viu o sinal de transito “proibido estacionar”, mas por engano, confundiu o número deste sinal, então propôs aos colegas, o nome de “Artigo XIV” (artigo 14), pensando ele, que era este o número da lei deste sinal!!!
Os elementos da banda ficaram a pensar na proposta que acharam interessante, diferente e divertida, até que uns tempos depois acabaram por baptizar a banda com esse nome.
Outro dos enganos foi na criação do logótipo…mas essa parte não convém referir para não “manchar” o bom-nome do designer que o concebeu (a meu ver até foi um bom engano).
Passando à frente…
A banda neste momento é formada por 5 elementos, contando na guitarra com Carlos Ortiga, na bateria e percussões com Zé Luís, nas teclas e voz com Joel Freitas, no baixo e voz com Tiago Lazera e unicamente na voz com Ana Costa.
Os Artigo XIV, têm bastantes projectos em mente e poderão ser eventualmente uma das bandas revelação e de sucesso da zona de Vila Nova de Famalicão, por isso esperem por ouvir o som destes “gajos” porque eles PARTEM TUDO!!!
Tiago Lazera(baixista e vocalista)
hi5 da banda -> http://artigoxiv.hi5.com

quinta-feira, janeiro 24, 2008

A Lei De Todas As Coisas

Uma explicação para quase tudo...

Venho hoje, falar-vos de um livro que acho interessante dar conhecer aos leitores deste Blog. O livro tem como titulo "A Lei De Todas As Coisas" e é escrito por Richard Robinson.

Neste livro, este senhor explica de maneira muito simples e clara, situações que por vezes nunca pensamos mas que estão presentes no nosso dia a dia, como o nosso respirar.

Deixo-vos o resumo do livro e aconselho vivamente a todos que o leiam. Um livro deverás interessante e divertido.

"As verdadeiras razões cientificas que explicam por que tudo corre mal.

Comece à procura da Lei de Murphy e vai encontrá-la em todo o lado. Os autocarros chegam aos três de cada vez, a fila que escolhe é sempre a mais lenta, quando tem as maos ocpadas sente comichao no nariz e lembra-se de varias coisas importantes assim que esta prestes a adormecer...
Alguma vez será possivel uma explicaçao racional para tudo isto?
A resposta acaba por ser 1\4 cientifica e 3\4 psicologica. O mundo mudou muito nos ultimos quatro mil anos, mas os nossos cerebros nem por isso. E é devido a este facto que as nossas reacções, vezes sem conta, são planeadas fora do tempo certo.

Porque é que segue sempre pelo atalho errado?
Porque é que a musica que mais detesta é precisamente aquela que não lhe sai da cabeça?
Porque é que, quando perde alguma coisa, continua a procura-lo, uma serie de vezes, no mesmo sitio? E porque será que ela aparece, de repente, no sitio ao qual já foi quatro ou cinco dias?"


Retirado de "A Lei De Todas As Coisas" de Richard Robinson

18 motivos de orgulho em ser Português

1 MISCIGENAÇÃO

Deus fez os negros e os brancos, e o português encarregou-se de inventar os mulatos… é uma tese arriscada, mas politicamente correcta. Isto, porque é discutível se foi Deus Cristão, Muçulmano ou Judeu, se foi um grande arquitecto, a teoria evolutiva de Darwin ou extraterrestres que aterraram na ilha de Páscoa.
Quanto aos mulatos não temos dúvidas. Enquanto os ingleses e holandeses cultivavam a separação colonial, o português praticava uma virtude: a miscigenação.


2 O DESENRASCANÇO

Somos exímios: enquanto os alemães fazem gráficos, os ingleses horários os suíços projectos, nós “desenrascamos” um sistema, em cima do joelho, e a coisa funciona.

3 GINGINHA - LICOR BEIRÃO

São, juntamente com o medronho, a forma mais rápida, saborosa e nacionalista de etilizar as sipnases. Com moderação, o efeito vasodilatador previne acidentes cardiovasculares e aumenta a esperança de vida. Em dosagens duplas, anestesiam eficazmente as dores, afogam as mágoas mais resistentes, liquefazem as tristezas e, se não pagarem as dívidas, pelo menos as faz esquecer por algumas horas. Outros álcoois têm exactamente o mesmo efeito, mas estes são só nossos.

4 FADO

Fado é destino, sorte-má sorte tantas vezes. Mas é um produto português mais conhecido no Mundo. É a mão que bate no peito luso, até doerem os ouvidos.

5 BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS

São os heróis trágicos do momento. Apesar da insuficiência dos meios, da falta de estratégia dos governos, eles lá estão, a enfrentar o inferno das chamas.

6 GUITARRA PORTUGUESA

Verdadeiro ex-libris da música portuguesa. É o toque da alma lusa. Prova final da capacidade de um guitarrista; “Quem não tem unhas não toca guitarra”.

7 AZEITE

Foi eleito por nutricionistas unidos de todo o mundo como a gordura que não faz mal, que prolonga a vida, sem colesterol e cheio de virtudes. Tudo isso parece irrelevante: facto é que o nosso azeite é excepcional, seja em pratos elaborados ou simplesmente com pão e alho.

8 TOURADA

Existe na vizinha Espanha, mas a nossa não é chata como a deles. A nossa tem galhardia e movimento quando a cavalo. A pé, a mestria pode ser idêntica com a capa, mas nós temos os forcados, um grupo de tipos que entram na arena e decidem agarrar o touro pelos cornos. Assim de simples, é mais corajoso e mais bonito.

9 CAVALO LUSITANO

Cobiçado por Rainhas e estrelas de cinema, ágil e leve como uma pena, o cavalo lusitano é um dos mais nobres representantes da raça equestre.

10 QUEIJOS

Se não derretem no prato, derretem na boca. Os nossos queijos detroem em 5 minutos qualquer decisão de dieta.

11 ALQUEVA

O maior lago artificial da Europa promete tornar o Baixo Alentejo em campos verdejantes e férteis. E, contrariando os prognósticos mais pessimistas, só demorou 2 anos a encher. Se a água é o ouro do futuro, Portugal tem uma gigantesca mina.

12 LUÍS FIGO

Dos “Pastilhas” para as escolas do Sporting, destas para a equipa principal e dali para o Mundo. Com 22 anos, Johan Cruyfft escolheu-o para colmatar a saída de Laudrup em Barcelona. Na Catalunha incendiou paixões, levou o Barça ao topo do mundo no futebol europeu e depois mudou-se para o Real Madrid. Hoje em Itália no Inter continua a fazer valer o valor Português.

13 CARACÓIS

A primeira pergunta é como raio se lembraram de começar a comer um bicho daqueles? Não fazemos ideia, mas ainda bem que o fizeram. É uma verdadeira homenagem ao espírito criativo dos portugueses, conseguir com esta matéria prima, criar um dos melhores petiscos de todo o mundo.

14 TREMOÇOS

O marisco favorito dos portugueses a provar que a simplicidade é uma arte. Um copo de cerveja geladinha, de espuma densa e cheia de gás e um pratinho de tremoços. Não enche o estômago, mas conforta a alma.

15 O BOLHÃO

É mercado. Sozinho representa tudo o que os mercados portugueses têm de melhor; bons produtos, sempre frescos e vendidos por mulheres ainda mais “frescas”….
A evitar só mesmo em alturas eleitorais…


16 PRAIAS - FALÉSIAS

As praias e as falésias estão para Portugal como os Alpes para a Suíça; em matéria de férias, são o ponto mais alto da Europa.

17 LINCE DA SERRA DA MALCATA

As más-línguas dizem que é tão bom, tão bom, e que se esconde tão bem que ninguém o consegue ver.

18 CALÇADA PORTUGUESA

É verdade que quando chove o risco de cair nela é maior. A manutenção é cara e muitas vezes negligenciada. A sua beleza é inegável, o chão que pisamos é dos mais belos do mundo. A relação com ela é tão forte que até se canta no fado; “chorar as pedras da calçada”…


in Portal das Curiosidades

Agora só faltariam… “1001 Motivos de Vergonha em Ser Português”

E à bom português resta dizer… “é a vida…” aquela expressão que explica muitas coisas que às vezes não fazem sentido nenhum.

quarta-feira, janeiro 23, 2008

Audição

"Nada pode ser mais simples do que os sons - ondas de ar comprimido. Não interessa quantos sons, discursos, melodias, assobios e arrotos diferentes existem à nossa volta numa divisão, ao ouvido chegam apenas ondas de ar comprimido. O tímpano vibra, as vibrações saltam para a cóclea que por sua vez as traduz em impulsos nervosos que viaja, até ao córtex auditivo. E é assim que a festa começa. Com fantásticas capacidades forentes, o córtex auditivo transforma os sinais brutos em sons individuais. Os caçadores do paleolítico conseguiam separar o mínimo som que queriam ouvir - por exemplo, o de um veado, atrás dos arbustos, a mascar folhas - do chilrear dos pássaros, do ramalhar das árvores, ou do murmúrio dos rios. Hoje em dia estamos rodeados por um barulho de fundo diferente. Numa festa, a música substitui o chilrear dos pássaros, as roupas valem pelo ramalhar das árvores, em vez do rio temos o barulhinho, e o som específico que queremos ouvir não é o do veado a mascar folhas, mas o convidado a mordiscar um aperitivo e a falar-nos dos seus passatempos.
Apesar do convidado falar calmamente e de existir burburinho à sua volta, somos capazes de o ouvir com uma clareza incrível.
Fazendo jus ao nome de Colin Cherry, este fenómeno por ele investigado, foi denominado por 'Efeito Cocktail Party' , por ser particularmente notório neste tipo de festas. A sua investigação pioneira de 1950 não tinha por objectivo ajudar-nos a compreender as festas de cocktail, mas ajudar os controladores de tráfego aéreo a discernir a caótica tagarelada que ouviam nos seus auscultadores. O trabalho de cherry com os controladores de tráfego aéreo demonstrou que todos nós seleccionamos o que queremos ouvir e fazemos por ignorar o resto. Acima de tudo, demonstra que, assim que o cérebro consegue separar os sons e avaliá-los, quase todos são deitados fora, sendo apenas aproveitados os sons do convidado e do seu passatempo.
Na verdade não é assim tão simples, como Murphy faz questão de salientar de vez em quando. Os outros barulhos não são instantaneamente excluídos; são inconscientemente supervisionados. E a prova disso é que:

Toda a gente se cala numa sala quando ouve a palavra 'sexo'.

De repente, toda a gente na festa está a ouvir-lo. Como é que conseguiram ouvir aquela palavra com toda a algazarra? que vergonha. Esta Lei de Murphy revela a espantosa capacidade do córtex auditivo. O burburinho que o cérebro parece estar a ignorar é inconscientemente aferido através de palavras chave antes de ser excluído. Quaisquer sons que o cérebro considere interessantes estão a ser atirados para a consciência. Não é de admirar que 'sexo' seja considerada uma palavra muito interessante.
Outras palavras e sons significativos podem emergir do burburinho. Um telemóvel com o mesmo toque que o seu despertar-lhe-à a atenção. Se alguém pronunciar o seu nome as suas orelhas ficarão a arder e é sabido que se ouvir o seu nome, ouvirá também muitas das palavras que o procederam - prova portanto de que o cérebro armazena o barulho exterior durante alguns segundos.

Ouve-se melhor um murmúrio do que um berro.

O cérebro supervisiona os sons à sua volta. Diferenças subtis na camada audítivel são merecedoras de especial atenção, mesmo que haja uma diminuição de volume. Se o casal mais próximo se si baixar repentinamente a voz, irá despertar, de certeza, a sua atenção; os seus ouvidos esforçar-se-ão por ouvir o que eles estão a dizer.
Quando espia os vizinhos não ouve todas as palavras, apenas parte delas. O cérebro acrescenta partes que considera em falta. Normalmente consegue fazer um trabalho muito bom, mas às vezes engana-se.(...)
Tive recentemente uma conversa à Murphy, em Pequim, com uma mulher chinesa. A sua pronúncia inglesa não era perfeita, ainda assim, achei que estávamos no bom caminho. Ela tinha um emprego, disse-me, que consistia em encontrar cavalos(
horses) para pessoas que vinham viver para Pequim, e eu disse-lhe que ainda não tinha visto cavalos desde que chegara.
-Mas é claro que viu - disse ela - Toda a gente em Pequim tem um cavalo.
-Toda a gente? - hesitei - Ainda não vi um único cavalo!
-Mas onde é que haviam de viver? - disse ela. Calámo-nos, e foi aí que percebi que estávamos a falar sobre casas(houses). Uma pequena diferença na pronúncia resultou numa conversa estranhamente surreal."

Texto retirado do livro "A lei de todas as coisas" de Richard Robinson

Apresentação

Antes de mais, obrigado pela visita ao Blog.
Eu sou o João Lopes, tenho 18 anos(em jan de 2008), sou de uma terrinha chamada Delães e fica situada no conselho de Vila Nova de Famalicão(distrito de Braga). Estudo na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras onde frequento o curso de Engenharia Informática.
Como falar de nós próprios é difícil e uma imagem vale mais que 1000 palavras, resolvi fazer um vídeo =P (à um tempinho atrás) que está aqui de seguida. Peço que vejam e qualquer dúvida ou curiosidade, é só perguntar.
Coordealmente me despeço e mais uma vez agradeço a visita ao blog. Enviem textos para blogmanhoso.gmail.com, para publicar no blog(texto e autor).

video